1. Dar Vida à Tradição da CF

Realizar a Campanha da Fraternidade (CF) no tempo da Quaresma é uma tradição da Igreja Católica do Brasil que tem tudo a ver com o sentido da preparação e da celebração da Páscoa. Para tornar presente a ressurreição, a vitória sobre a morte, na vida do seguidor de Jesus, é preciso que as práticas dele façam parte da sua vida cotidiana. Em outras palavras, as múltiplas formas de amar os irmãos e irmãs que sofrem injustiças e são oprimidos por poderes exploradores são a porta de entrada para “herdar a vida eterna”, isto é, para participar da ressurreição de Jesus.

A CF de cada ano é, então, nova oportunidade para conhecer melhor a vida e a mensagem de Jesus e para acolher o convite ou renovar o compromisso já assumido de viver com Ele. Para ser discípulos, é preciso ter Jesus como Mestre, como quem ensina por meio da coerência entre as práticas e as palavras, que Jesus está presente em sua vida, dá sentido a ela e gera esperança para compartilhar as lutas dos crucificados dos dias de hoje.

O chamado dele na CF de 2014 é para assumirmos a causa de todos e todas que sofrem por causa do crime de tráfico de pessoas. São muitas pessoas, como veremos, mas faz pouco tempo que se passou a combater essa prática  ignominiosa-assim definida recentemente pelo Papa Francisco – para a humanidade, com ações nos países e no mundo. De fato, quem pratica tráfico de pessoas nega a honra da humanidade,  e não apenas a sua. Que tipo de espécie é essa que é capaz de reduzir seus iguais a meros objetos de negocio? Pior ainda, que espécie é essa que, usando sua liberdade para gerar lucros traficando pessoas, as submete à escravidão, negando-lhes o valor básico de sua dignidade:  a liberdade?

Objetivo da CF

Desejamos que os cristãos e todas as pessoas de boa vontade se somem a essas luta contra o tráfico de pessoas, a CF de 2014 propõe e assume o seguinte objetivo:

Identificar  as práticas de tráfico humano em suas várias formas e denunciá-las como violação da dignidade e da liberdade humanas, mobilizando cristão e pessoas de boa vontade para erradicar este mal com vista ao resgate da vida dos filhos e filhas de Deus.

E para que este objetivo chegue a ações concretas, propõe e assume os seguintes objetivos específicos:

1. Identificar as causas e modalidades do tráfico humano e os rosto que sofrem com essa exploração.

2. Denunciar as estruturas e situações causadoras do tráfico humano.

3. Reivindicar, dos poderes públicos, e meios para a reinserção das pessoas atingidas pelo tráfico humano na vida familiar e social.

4. Promover ações de prevenção e de resgate da cidadania das pessoas em situações de tráfico.

5. Suscitar, à luz da Palavra de Deus,a conversão que conduza ao empenho transformador dessa realidade aviltante de pessoa humana.

6. Celebrar o mistério da morte e ressurreição de Jesus Cristo, sensibilizando para a solidariedade e o cuidado às vítimas desse mal.

Organizar a CF para agir com amor de Jesus

Ele nos deu o exemplo: foi acolhendo e reunindo ao seu redor diferentes grupos de seguidores, criando oportunidades de formação para que o ajudassem a realizar sua missão e para que assumissem e levassem adiante esta mesma missão. Isso nos indica que não basta vivermos a CF individualmente, mesmo sendo muito importante; é melhor que haja uma equipe que assuma organizar bem a CF de cada ano. Cabe a esta equipe dinamizar a CF durante a Quaresma, procurando acolher e reunir todas as pessoas que se sensibilizam pela temática do tráfico humano, organizando com elas ações que coloquem em prática os objetivos específicos.

Além deste trabalho durante o tempo da Quaresma, é missão desta equipe manter viva a CF a partir da celebração da Páscoa, animando práticas e mobilizações que ajudem a alcançar o objetivo que ela propõe. E é para isso que, entre outras ações à equipe estimular as pessoas a serem solidários, também, doando com generosidade o que podem para o Fundo Diocesano e para o Fundo Nacional de Solidariedade, prática a ser organizada especialmente no Domingo de Ramos. Esses recursos todos devem ser aplicados em iniciativas que ajudem a alcançar os objetivos concretos da CF. Para  isso, como há uma comissão que decide a aplicação dos recursos do Fundo Nacional, cada diocese precisa organizar uma comissão que cuide bem da melhor aplicação possível dos recursos do Fundo Diocesano, ao qual são destinados 60% das doações. As Paróquias e comunidades a este Fundo Diocesano e ao Fundo Nacional.

Para aprofundar pessoalmente e ma comunidade

1. Qual a relação necessária entre Quaresma e Campanha da Fraternidade?

2. Estão claros os objetivos da CF 2014?

3. O que se pode fazer para organizar bem a CF em sua comunidade, paróquia diocese?

Tags:

Deixe uma resposta